Programa Global Markets – um caminho para acesso ao mercado e à certificação – Parte 1

No 1o dia do evento, houve uma “Induction Session”, que é uma sessão especial pré-evento para discutir aspectos mais básicos para o público que ainda não está familiarizado com o que é o GFSI – Global Food Safety Initiative.  Como muitos dos leitores do blog já estão familiarizados com estes aspectos básicos, preferi abordar aspectos que me pareceram mais relevantes. Caso haja leitores que desejem que eu aborde em próximos posts esta parte mais básica, é só enviar solicitação na parte “Comentários” ao final deste post, ou escrever para fooddesign.com.br
Assim sendo, vou abordar a palestra feita por Michele Shewmaker sobre Programa Global Markets. Michele é Gerente Sênior de Supplier Food Safety-Compliance do Wal-Mart, Estados Unidos, e tem trabalhado ativamente neste Programa.

Michele Shewmaker, Wal-Mart, Estados Unidos e Ellen Lopes, Food Design
Direitos da foto: Ellen Lopes
O Programa Global Markets é uma iniciativa focada na capacitação para pequenas empresas, ou empresas menos desenvolvidas, lançada pelo GFSI, que consiste em uma abordagem passo a passo para implementar os requisitos das normas/ esquemas de gestão da segurança alimentos reconhecidas pelo GFSI.
Através desta abordagem, fica mais fácil para as empresas terem acesso aos mercados locais e ou internacionais, através de um sistema de aceitação mútua, criado ao longo da cadeia de abastecimento. Foi desenvolvido tanto para produção primária como para fase industrialização de alimentos.
O programa consiste em três fases, e fornece “ferramentas” para ajudar as organizações a compreenderem e implementarem o Programa. Este conjunto de ferramentas está disponível para download em www.mygfsi.com
As três fases do programa são definidas como segue:
Fase 1: Nível básico – requisitos mínimos de Segurança de Alimentos GFSI fundamentais para serem implementados pela empresa em um período de doze meses.
Fase 2: A empresa deve avançar para o próximo nível, onde uma segunda série de requisitos de segurança de alimentos GFSI requisitos deve ser implementada dentro de um período de 12 meses.
Fase 3: Após este período de dois anos, a empresa deve ser capaz de avançar para a certificação completa para um esquema reconhecido pelo GFSI.


Fonte: GFSI
Para ficar mais claro indicamos os passos para a implementação, conforme esquema mostrado por Michelle.



bioMérieux + CEERAM = mais facilidade na detecção de vírus

Depois de alguns dias na fabulosa Tailândia, estou novamente em Barcelona. Vim para cá via Cingapura, pela Singapore Airlines, que recebeu de minha parte mais uma vez nota 10. Fiquei fã da empresa!

Vou começar hoje a série de posts técnicos, iniciando por um assunto que me impressionou numa conversa que tive com Frédéric Simon no stand da bioMérieux (os stands de expositores ficavam num salão ao lado). Frédéric é Vice-Presidente dessa empresa, que tem sede na França e é líder mundial em diagnósticosin vitro na área de microbiologia para indústrias agro-alimentares, cosméticos e bio-farmácia, mantendo também forte presença no Brasil.

Frédéric Simon – VP, Industry and Food Franchise Director -bioMérieux
Foto: Ellen Lopes

Frédéric me explicou que a aquisição recentemente anunciada da CEERAM – (European Centre for Expertise and Research on Microbial Agents) por sua empresa teve o objetivo de expandir o portfólio de análise de alimentos com os kits de detecção molecular de vírus, da marca ceeramTools®, disponíveis para Norovirus (NoV)  G1, Norovirus (NoV) G2, Hepatite A  (HAV), Hepatite E (VHE), Enterovirus, Rotavirus e Astrovirus, entre outros.


Fonte: site da CEERAM
E por que isso me impressionou? Porque geralmente, ao fazermos um estudo de APPCC/HACCP para agentes microbiológicos, concentramos nossa atenção nas bactérias patogênicas, em suas toxinas e nas micotoxinas, deixando de lado os vírus. Mas é sabido que o número de infecções por vírus superam em muito o número das infecções bacterianas. Na minha visão, isso tem acontecido porque acreditamos que seus efeitos tendem a ser mais brandos, porque as formas de prevenção são as mesmas consagradas para agentes bacterianos e, acredito que adicionalmente, pela dificuldade de verificação.
Mas temos que mudar esta forma de pensar, pois o Codex Alimentarius, com base  em dados de vários países, afirma que “nos últimos anos, os vírus têm sido cada vez mais reconhecidos como importantes causas de doenças veiculadas por alimentos (..). HAV* e rotavírus**s têm sido identificados como os principais vírus transmitidas por alimentos, podendo causar doenças graves e mortalidade significativa”.
Assim, a possibilidade de contar com métodos rápidos de detecção de vírus vem ao encontro da necessidade de passarmos a focalizar também os agentes virais nos nossos estudos de APPCC/HACCP. Além disso, os kits facilitarão a identificação de surtos e pesquisas por parte dos setores privado, governamental e acadêmico.

* e ** – nota para quem quer saber como estes vírus se propagam
Os vírus entéricos humanos, como o NoV e o HAV, são muito infecciosos, sendo a via de transmissão mais comum a propagação de pessoa a pessoa. Disseminação secundária pode ocorrer, por exemplo, pela contaminação de alimentos que não tenham passado por processos térmicos, ou que tenham sido recontaminados, podendo ampliar e prolongar o surto. Podem ser também transmitidos indiretamente, via contaminação da água e das superfícies.
Outros vírus, tais como o rotavírus, o vírus da hepatite E (VHE), o astrovirus etc. podem também ser transmitido por alimentos, e há também alguns vírus (vírus zoonóticos), que são transmitidos de animais para humanos.

Vídeos da Cerimônia de Abertura

Conforme prometido no post anterior, apresento aqui os dois vídeos da Cerimônia Oficial de Abertura: o primeiro deles com trecho do bem humorado discurso de Mustapa Mohamed, Ministro da Indústria e do Comércio da Malásia, e o segundo com apresentação da “Orquestra” Oficial de Tambores da Malásia.
Mustapa Mohamed, Ministro da Indústria e do Comércio da Malásia
“Orquestra” Oficial de Tambores da Malásia 


Até breve! 

Em breve os posts com conteúdo técnico + Cerimônia de Abertura

Se você ficou curioso(a) sobre o conteúdo das palestras e sessões plenárias, aguarde! Nesta sexta viajarei para Bangkok, para alguns dias de férias antes de começar a longa viagem de volta. Após retornar ao Brasil, com chegada prevista para 15 de março, aos poucos farei relatos e resumos do que assisti nessa Conferência.

Ao longo da viagem, embora não queira me comprometer, vou fazer alguns posts, apresentando inclusive dois vídeos da Cerimônia Oficial de Abertura, que ocorreu na terça feira, dia 4 de março. A cerimônia mostrou que o GFSI conquistou a atenção das autoridades locais, pois contou com a presença de dois ministros de Estado: Dr. Datuk Seri Subramaniam Sathasivam, do Ministério da Saúde e de Mustapa Mohamed, do Ministério da Indústria e do Comércio.

Mustapa Mohamed, ministro da Indústria e do Comércio
Até breve! Desejo a todos um ótimo fim de semana.

Programa da quinta feira, último dia da Conferência

A quarta feira foi um pouco mais light, com muitas oportunidades de contatos e tempo para visitar os stands dos expositores.
Ontem, 5/3/2015, foi o último dia da GFSI. Após um almoço patrocinado pela Cargill, com comidas típicas deliciosas mas com nomes em malaio que eu não saberia reproduzir, houve uma segunda sessão plenária, seguida de uma reunião com os stakeholders presentes. Essa reunião foi a última atividade do evento, encerrada com o convite para a próxima Conferência, que será em Berlim.
Abaixo você pode conferir o programa da manhã e da tarde do último dia da Conferência.

Programa parte da manhã:

Programa parte da tarde:

Brasileiros na Conferência GFSI 2015

Neste ano, o Brasil conta com apenas três representantes na conferência, by the way exclusivamente do sexo feminino: eu, representando a Food Design e o IRSFD – Instituto de Responsabilidade Social Food Design (em outro post, explicarei o que é o IRSFD), a Juliani Kitakawa e a Kátia Hill, ambas da DNV-GL.

Embora se possa atribuir essa baixa participação à grande distância, para um país que se considera o celeiro do mundo e é a sexta economia do planeta parece pouco, não?

Para comparar, os Estados Unidos, tão distantes quanto nós, contam com a participação de nada menos que 134 pessoas.

Da direita para a esquerda: eu, Juliani Kitakawa e Kátia Hill, no jantar oficial do GFSI em 4 de março.

Cerimônia de abertura da Global Safety Conference GFSI 2015

A terça feira foi intensa! 

Após a GFSI Induction Session, seguida da Cerimônia de Abertura, participei do maravilhoso jantar promovido pela DNV-GL, a quem agradeço. Como terminou tarde, não vai dar para escrever nenhum post mais completo hoje, pois tentarei dormir apesar do fuso “trocado”…

Mas para não passar em branco, deixo abaixo um link de um vídeo sobre a Conferência, e também o loooongo programa desta quarta feira. Até breve! 

Vídeo: GFSI: Our One Best Hope for Global Food Safety


4 de março, 2015 – Programa parte da manhã.


Após o almoço: parte da tarde com as “Breakout Sessions”, e jantar à noite.

Programa final da Conferência – Uma responsabilidade compartilhada

O programa final da Conferência Global de Segurança de Alimentos (Global Food Safety Conference) está disponível aqui.

Como você poderá constatar ao avaliá-lo, cada vez mais se consolida globalmente o entendimento de que segurança de alimentos é um bem comum, e de que os stakeholders dessa cadeia de suprimentos precisam trabalhar em conjunto. Muitos até já o fazem, mas há a necessidade de trabalhar de forma ainda mais integrada para vencer os desafios que os novos tempos impõem. 

Não importa qual seja o segmento da cadeia de alimentos no qual você trabalhe ou pelo qual se interesse, você perceberá que ele está contemplado no programa: produtor, indústria, varejo, academia, autoridade regulatória, formulador de políticas públicas, prestador de serviços etc.


Programa de hoje, 3 de março

Amanhã, haverá uma “Induction Session” com o objetivo de sensibilizar mais stakeholders da região Ásia-Pacífico. Grandes representantes da cadeia de alimentos apresentarão seus pontos de vista sobre o GFSI: Gerald Erbach, do Metro (a maior rede de varejo com sede na Alemanha), Cindy Jiang do McDonald’s (foodservice), Mark Overland da Cargill (indústria). Finalizando a sessão, Michele Shewmaker, do Wal-Mart, apresentará o Global Markets Program, um programa de implementação criado para simplificar e facilitar a adoção de normas de gestão da segurança de alimentos para pequenas empresas ou empresas menos desenvolvidas.
Haverá em paralelo uma visita ao mercado, especial para quem deseje conhecer as oportunidades de negócio nesta região na área de alimentos.
E encerrando o dia, teremos a cerimônia oficial de abertura da Conferência.
Destaques do programa da Global Food Safety Conference
Veja abaixo alguns dos nomes que estarão presentes.
Autoridades da Malásia
  • Datuk Rebecca Sta. Maria, do Ministério para Indústria e Comércio Exterior
  • Noraini Binti Dato’ Mohd Othman, do Ministério da Saúde 
Alguns dos palestrantes – e os temas que abordarão:
  • Cenk Gurol da Aeon, Japão (atual Presidente do GFSI)  – Como fazer parte da história da segurança de alimentos
  • Tom Heilandt, Secretário, Codex Alimentarius – A Comissão Codex e seus padrões: uma parte de uma história global para garantir o futuro dos alimentos
  • Ali Badarneh, Executivo de Desenvolvimento Industrial da UNIDO – História do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores Sustentáveis na Malásia
  • Grupo de Proprietários dos Esquemas Reconhecidos do GFSI – O que fazer e o que não fazer nas auditorias
  • Mark Burgham, Diretor da Agência Canadense de Inspeção de Alimentos – Colaboração público-privada
  • Anthony Huggett, VP, Nestlé e John Carter, VP, Metro – Com que profundidade você conhece a sua cadeia de suprimentos?


Mais alguns exemplos de organizações com presença confirmada: Banco Mundial, McDonald’s, Wegmans, Carrefour, CNCA, Cargill, PWC, Fonterra, Suntory, Mars, Rotana Hotels, Mondelez, Metro, Interpol, Danone e COFCO.

Ufa, cheguei! Saudações de Kuala Lumpur

Após o longo vôo de Barcelona para Cingapura, de 12 horas e meia mais três horas de espera nos aeroportos, enfrentei mais uma hora de vôo para Kuala Lumpur, e quase uma hora de carro do aeroporto até o hotel. A distância até o hotel é grande e o trânsito muito congestionado, mas finalmente cheguei!

Desta vez, deu bem para sentir que estou do outro lado do mundo, trocando literalmente o dia pela noite – aqui, estamos 11 horas à frente do horário de Brasília. O difícil é se adaptar ao novo fuso.

Antes de outros posts, vou falar do aeroporto de Changi, de Cingapura, que merece elogios. É super confortável, muito amplo, com uma clara preocupação com o bem estar dos viajantes, o que logo se percebe pelos inúmeros jardins floridos para encher os olhos e relaxar a mente dos viajantes.

Foto: Ellen Lopes

No Terminal 2, onde ficava o portão para o vôo Cingapura-Kuala Lumpur, havia um pequeno jardim com uma fontezinha, tão relaxante, quase esqueci da vida e do vôo. Veja abaixo.

Foto: Ellen Lopes

Do aeroporto de Kuala Lumpur, nada a destacar  – embora seja correto e muito funcional.

Do bom e do melhor por poucos euros

Sábado, 28 de fevereiro, foi um dia de descanso, pois no dia seguinte eu teria que estar logo cedo no aeroporto para a próxima etapa da viagem a Kuala Lumpur. Assim, fiz um passeio a pé pelo Passeig de Gràcia e fui jantar no El Corte Inglés, tradicional loja de departamentos de Barcelona. 

Aqui na Catalunha, o presunto pata negra é um “must”. Pode-se fazer uma boa degustação a um preço bastante convidativo na seção gourmet do El Corte Inglés. 

No balcão de degustação, pedi meia porção de presunto ibérico bellota, considerado o mais premium entre os jamones espanhóis, e meia porção de queijos da região. Pedi ao atendente que as marcas fossem as melhores disponíveis. 

O presunto foi da marca 5 Jotas, e os queijos recomendados foram o Payoyo (cabra), Blancafort (cabra) e Dehesa de las llanos (manchego). Claro que isso pede um vinho – tomei uma taça de Blecua Somontano, tinto da região de Aragón. Acompanhamento obrigatório: pão com tomate.

Foi sensacional, especialmente o queijo Payoyo que o gentil atendente me explicou ter sido o vencedor do World Cheese Awards, Londres, 2014. Preço super bom: 21 Euros. Altamente recomendado!

Dúvida existencial: não sei se eu trabalho com alimentos porque gosto de experimentar as boas comidas que há no mundo, ou se é por gostar de experimentar as boas comidas que há no mundo que eu trabalho com alimentos…


A caminho via Barcelona

Ontem, 26 de fevereiro, comecei a longa jornada para a Malásia, onde será realizada a Conferência do GFSI.
Como não há vôos diretos para a Malásia, é preciso fazer uma escala que pode ser Dubai, Frankfurt, Doha etc., dependendo da empresa aérea.
Eu escolhi viajar pela Singapore Airlines, que vai à Malásia via Barcelona e Cingapura, o que dá um pouquinho de tempo a mais na viagem. Mas as referências da Singapore Airlines eram muito boas, e o preço da passagem também foi bom.
Decidi parar por um dia e meio em Barcelona, para não vir de uma tacada só, o que daria de 23 a 30 horas de viagem.
Assim, cá estou em Barcelona após uma noite mal dormida, mas já refeita depois de algumas horas de sono para fazer este primeiro post da viagem.
Singapore Airlines foi show!
A gentileza no atendimento das aeromoças e dos comissários merecem destaque. De zero a dez, nota onze! Isso sem falar na beleza das comissárias e de seus uniformes.  


Elas me explicaram que o uniforme  da “Singapore Girl” foi criado por Pierre Balmain há mais de 40 anos. Foi inspirado no Sarong Kebaya, tradicional traje  malaio. Esse uniforme sobreviveu ao tempo e acabou virando marca registrada da empresa. É contemporâneo, luxuoso,  e simboliza a herança e a distinção que a companhia tem preservado ao longo dos anos.

A Conferência Global de Segurança de Alimentos do GFSI – 2015


Prezados colegas,
A Conferência Global de Segurança de Alimentos do GFSI– Global Food Safety Initiative, é o mais importante evento de gestão da segurança de mundo, oportunidade ímpar de interação dos pares da indústria, do food service, do varejo, e do mundo acadêmico, para fazer avançar a Segurança de Alimentos no mundo. Vai ser realizada neste ano na Ásia, em Kuala Lumpur, de 3 a 5 de março, com o tema “Uma responsabilidade Compartilhada”. Reunirá mais de 1.000 especialistas da área, de mais de 50 países, para compartilharem conhecimentos técnico-científicos, e vivência na implementação da segurança de alimentos.
A Food Design estará pela sétima vez presente no evento, postando neste blog o que lá aconteceu. Acompanhe nossos posts, que surgirão a partir do término do evento. Durante o evento postaremos apenas alguns highlights.
Alguns fatos sobre Kuala Lumpur
Kuala Lumpur é capital federal e centro cultural, econômico e financeiro da Malásia, sendo a cidade mais populosa do país, com população de cerca de 1,6 milhões de habitantes. A Malásia inclui três principais grupos étnicos: os malaios (maioria), os chineses e os indianos, embora a cidade tenha uma mistura de diferentes culturas, incluindo eurasianos e algumas raças indígenas. A língua oficial é o malaio, mas outros grupos étnicos usam suas próprias línguas.

No skyline de Kuala Lumpur encontramos as Petronas Twin Towers, as torres gêmeas mais altas do mundo, que superam o antigo World Trade Center, e que se tornaram um símbolo de desenvolvimento do país.

                             CC BY-SA 2.0 public domain 

Quer ver algumas cenas urbanas de Kuala Lumpur?

Seu comentário é bem vindo!
Para comentar, clique no título do post e desça até o final dele, onde será possível comentar na janela destinada a este fim.

Português PT English EN Español ES