“Local Food”: uma tendência além da sustentabilidade

Soluções mais sustentáveis é uma tendência irreversível. As regiões que produzem para abastecer as populações locais oferecem alimentos com mais frescor, mais qualidade, menos gastos com combustíveis, consequentemente menos emissão de gases do efeito estufa, fortalecendo essa tendência. Produzir localmente gera empregos, incentiva e incrementa a economia local. Valorizar os produtos locais ajuda a melhor estruturar o meio ambiente e a sociedade. Essa tendência vem sendo chamada internacionalmente como “local food”.

Os pilares do bem-estar animal: as cinco liberdades

No século XXI, a agricultura passou por várias mudanças, dentre elas a valorização do bem-estar animal – BEA, além da gestão da qualidade que passou a ser realizada em toda a cadeia do produto. Aspectos na criação do animal como: afeto e liberdade de expressão do comportamento durante sua vida, passaram a ser relevantes. Esses estão correlacionados não apenas ao mercado consumidor, que está cada vez mais exigente, mas também com os profissionais estudantes da área.

Corredor de supermercado: alimentos sem plástico?

O desenvolvimento de embalagens sustentáveis de alimentos já é realidade global. Nesse contexto o supermercado Ekoplaza, em 2018, lançou o primeiro corredor sem plástico, em Amisterdã. Por volta de 700 itens estão no portfólio: cereais, molhos, laticínios, chocolates, snacks, carnes, frutas e vegetais. As embalagens empregadas são: de biomateriais, de vidro, metal ou cartão.

Suspeita de trabalho escravo de macacos leva grande redes de varejo a cortarem o fornecimento

A Gestão de fornecedores é de extrema importância para garantir a produção de um alimento seguro e com qualidade, considerando-se também as três esferas da sustentabilidade: economia, sociedade e meio ambiente para assegurar o fornecimento dos produtos, garantir a credibilidade e satisfação dos consumidores. Uma suspeita de trabalho escravo animal de uma empresa que produz alimentos à base de coco levou a várias redes de varejo a cortarem o fornecimento dos produtos dessa organização.

EFSA avalia e aprova a segurança do consumo das larvas do Tenébrio

Como um ponto forte aliado a sustentabilidade considerada uma das cinco tendências globais de consumo divulgada pela ADM, empresa de nutrição humana e animal, a segurança do consumo de inseto, mais especificamente as larvas secas do besouro Tenebrio molitor foi avaliada e aprovada pela Autoridade Europeia para a Segurança dos Alimentos (EFSA) como novo alimento (NF) nos termos do Regulamento (EU) 2015/2283 e foi divulgada nessa semana.

AuREUS System Tecnology: inovação para redução de desperdício de alimentos

O AuREUS é painel solar formado por um sistema que converte a radiação UV em luz visível e gera eletricidade (50% do tempo mais potente que painéis solares convencionais, que variam de 15 a 22% do tempo). Para sua aplicação é necessária uma superfície ou estruturas pré-existentes, como vidros de edifícios e um outro diferencial pode ser aplicada verticalmente comparando-se com o sistema tradicional que é horizontalmente e necessita de superfícies maiores.

Alimentos industrializados – Mitos e verdades – Highlights USP Talks

Os alimentos industrializados fazem bem ou mal para a saúde? Quais os mitos e as verdades que circulam em relação a esse tema!? O USP talks desse mês fechou o ano com chave de ouro por abordar um tema que foi polêmico esse ano em virtude da nota técnica do Ministério da Agricultura contra o Guia Alimentar para a População Brasileira em especial à alimentos ultraprocessados, apresentados como vilões.

Rumo a produção de carne de frango sustentável: Singapura aprova um produto de carne cultivada em laboratório

A produção de carne in vitro é realizada a partir de células derivadas de animais, com o cultivo em condições controladas, com nutrientes e fontes de energia. Dentro desse contexto, nessa quarta-feira a Start-Up Eat Just, situada em São Francisco (Estados unidos) teve a aprovação para vender os seus produtos pela Agência de Alimentos de Cingapura sob a forma de ingrediente para nuggets de frango. A empresa descreve seu produto como “ carne real de alta qualidade desenvolvida diretamente de células animais para consumo humano”.

Série IRSFD – Empreendendo com vinho P.03 QUAIS TIPOS DE VINHOS SÃO RECOMENDADOS PARA PEQUENOS PRODUTORES?

A maior produção no Brasil é de vinhos de mesa, elaborados a partir de uvas americanas (Vitis labruscas), mais rústicas e resistentes a doenças, de melhor adaptação ao nosso clima, que resultam em um vinho de perfil sensorial mais simples e menor valor de mercado. Para produção de vinhos finos, é necessário investir em uvas viníferas (Vitis viníferas) que trazem aromas e sabores mais complexos, considerados mais refinados, resultando em vinhos mais finos.

Série IRSFD – Empreendendo com vinho P.02

Embora no geral haja pouco apoio para os produtores de menor porte, há órgãos oficiais, associações e cooperativas que auxiliam na produção das uvas e do vinho. Estas entidades compartilham recursos e infraestrutura para o desenvolvimento de novas tecnologias, realizam transferência de conhecimento e resultados de pesquisas.

Português PT English EN Español ES